sábado, 12 de janeiro de 2013

Yevgeny Yevtushenko: "Memento"

Tal qual um lembrete dessa vida
de bondes, sol, papagaios,
o descontrole inconstante de correntes 
que fazem saltarem termômetros,
e porque patos vão grasnar em outro lugar 
sobre o último gelo, fino como papel,
e porque crianças choram com amargura
(lembra-te a vida das crianças é tão doce!)
e porque sob a luz ébria e cintilante das estrelas
a lua nova abre espaço,
e uma meia esgarça um pouco na altura do joelho,
ouro em si, tingido pelo sol,
tal qual um lembrete da vida,
e porque há resina em troncos de árvores
e porque me enganei loucamente
pensando que minha vida tinha acabado,
tal qual um lembrete da minha vida - 
tu entraste em mim pisando de meias.
Tu entraste - nem muito cedo, nem muito tarde -
exatamente no momento certo, o meu momento próprio,
e com um sorriso, arrancaste-me das memórias
como quem arranca de um túmulo.
E eu, outra vez girando
em meio a cavalos pintados,
troco contente
por um lembrete da vida,
todas suas memórias.



Yevgeny Yevtushenko (1932-)

Yevgeny Yevtushenko é um dos mais importantes poetas russos (e soviéticos) na era pós-Stalin. Sua obra é pouco conhecida no Brasil, exceto talvez por Babi Yar, seu poema sobre os crimes horrendos tanto de alemães quanto de russos contra judeus na Segunda Guerra, que lhe rendeu uma indicação ao Prêmio Nobel de Literatura.

Também pouquíssimo de sua obra se encontra disponível em português na internet. Traduzi Memento, poema de 1974, baseado na tradução americana, de Arthur Boyars e Simon Franklin.