segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Incursões poéticas pela adolescência - Parte V

Pensei em escrever um belo soneto
Que não fosse triste, mas sim perfeito.
Fosse simples, direto e com efeito
Mas já na introdução perdi um quarteto.

Pensei na simples aliteração
Livre, leve lépida porém levada
Figura boba logo malfadada
Erro do criador, e não da criação.

Achei a metáfora, mas muito cara,
achei a anáfora, também a inversão.
Achei a anástrofe, inusitada, rara.

A poesia não é problema, é solução.
No meio da rima, nasce a vida, para
O deleite do poeta: a perfeição!




("Soneto do Soneto", escrito em 1998, e premiado no Concurso de Poesia da Secretaria Municipal de Educação)