terça-feira, 30 de agosto de 2011

O frio na barriga

Como explicar aquela sensação do atleta um momento antes da largada, do assaltante à beira de lançar ao chão com uma ordem todos no banco, da atriz detrás da cortina espiando o teatro cheio em busca de um rosto conhecido?

Não é ansiedade nem medo, exatamente, tampouco passa por qualquer tipo de desconforto térmico ou digestivo. O frio na barriga nasce de uma sensação estranhamente familiar de que algo muito desejado - e às vezes temido também - pode estar prestes a acontecer.

Faz com que nos sintamos vivos, conscientes e ao mesmo tempo entregues, à deriva, como enamorados às vésperas de um beijo que sabem certo ainda que não concretizado. Faz com que todas as peças espalhadas encontrem seus lugares numa ordem nova e diferente do usual.

Frio na barriga é sintoma de uma fogueira da qual logo se ouvirão os primeiros crepitares.

"Stairs IV" litografia de Mauritz Cornelis Escher (1898-1972)