quarta-feira, 16 de setembro de 2009

O Sandoval tá mudado

Outro dia procurei pela internet a letra de um samba clássico e esquecido de Aldir Blanc, João Nogueira e Maurício Tapajós, que me coube a boa sorte de puxar numa roda de samba a que fui tempos atrás no Bip-Bip. Não encontrei. Para ajudar possíveis futuros buscadores, postá-la-ei aqui. Há muito tempo que não posto uma letra ou poema do Aldir, um dos meus poetas mais 'favoritos de todos os tempos'. Mestre dos mestres, como eu costumava chamar em 2005, quando começou esse blog.

"O SANDOVAL TÁ MUDADO"
No pronto-socorro do Andaraí
tu entra cajá e sai caqui;
na urgência do Miguel Couto,
um tubarão virou boto;
mas o pior sucedeu
a tio meu lá no Rocha Faria:
ai, ai, ai, ai,
entrou Sandoval, saiu Ana Maria.

Couve não vira repolho,
eu colho no pé o que o pé tem que dar,
mesmo regando com molho,
provando esse olho não vou me enganar,
o Sandoval se intromete
e compromete a muda que vou me mudar;
Sandova disfarça, Bangu songamonga,
mas trunfa cenouras que nem Pernalonga...

Ai, ai, ai, ai,
entrou Sandoval, saiu Ana Maria.

Nas hortaliças que eu papo,
só vejo grilinho, uma ou outra touceira...
o Sandoval quer quiabo, exige pepino seca-pimenteira,
a própria Muda admite que é circular
e não tem medo disso
mas há diferença entre um lombo aos domingos
e alguém que só pensa em sentar num chouriço.

Ai, ai, ai, ai,
entrou Sandoval, saiu Ana Maria...