quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Ninguém me disse

Ninguém me ensinou na faculdade de cinema como se faz um filme. Isso só fui descobrir na vida real, do lado de fora daquelas grades carcomidas que guardam anos tão doces de minha vida.

Ninguém me falou que o diretor briga com o filme que acabou de dirigir; que finalizar um filme é um parto de cócoras, e que quanto mais o tempo passa, menos se gosta da obra que você criou, e mais difícil fica finalizá-lo.

Ninguém me disse que méritos e qualificações valem, no Brasil, menos do que um pedaço de papel higiênico usado dos dois lados. Aqui é a terra dos padrinhos.

Ninguém me disse que, apesar da melhora recente, o cinema nacional era muito ruim, na média, perdido entre falsas pretensões artísticas e incompetências técnicas (embora haja alguns filmes muito bons).

Ninguém me disse que a qualidade do ensino de cinema no Brasil descia correndo ladeira abaixo.

Só me disseram que a saída para o artista brasileiro é o aeroporto.