quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Do Amor

O amor, lindinha, é severo ofício. É labuta sob o sol, é sorriso nos lábios, a dureza da vida é a poesia do cotidiano. O amor é Tom ao piano. É o salário, é a guerra, é canário da terra. O amor é o suor nos lençóis, é o cargo dos michês, é um ano mais veloz que um mês. O amor é essência ferina, ouro, prata e platina. É o mais doce pensar, é terra firme e alto mar. É tudo o que a gente faz, é o naipe do ás. É apelidos idiotas de amantes, o amor é diamantes incrustados, é o acabamento que damos ao dia. O amor é o canto da cotovia. Ouve o que te digo como ouço o que me dizes: o amor é o ofício do ourives.

(A Grande Família, René Magritte, 1963)