quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

O Bigode

Bigode é nome dado ao conjunto de pêlos faciais humanos localizados entre o nariz e o lábio superior. Traço comum nos machos da espécie humana, cultivado sozinho ou conjuntamente com a barba (conjunto de pelos faciais que cobre a metade inferior do rosto), o bigode também ocorre em parte das fêmeas, que, no entanto, optam por raspá-lo (a maioria).

O bigode, ao longo dos séculos, consagrou-se como fator de identificação do macho e da masculinidade em várias culturas, sobretudo equatoriais. Povos do Oriente Médio, Norte da África e América Latina estão diretamente ligados à cultura do bigode. Nas últimas décadas, foi relegado cruelmente aos terminais de ônibus e às portarias dos prédios. No entanto, num passado não muito distante, o bigode era símbolo de ostentação, pujança e prosperidade, de modo que era adereço facial obrigatório entre quase todos os homens (e algumas mulheres) de relevo.

Recentemente, a ditadura estética do clean e da androginia promoveu uma "faxina visual" nos rostos dos homens, condenando ao exílio este formoso conjunto de pêlos e ao ostracismo seus defensores mais fiéis. Apenas os bigodes brancos estão impunes ao patrulhamento estético. Ainda hoje, motoqueiros, motoristas de táxi, pintores surrealistas, toureiros e artistas de vanguarda ainda estão legitimamente ligados à estética do bigode.