terça-feira, 20 de dezembro de 2005

Navegantes

"Quero um montão de tábuas e um motor de pano
Pra passear meu corpo e adormecer meu som
Na esburacada estrada do oceano

Aportarei meu barco apenas de ano em ano
E onde houver silêncio eu ficarei cantando
Pra não deixar morrer o gesto humano

Entenderei as águas e os peixes passando
E se me perguntarem pra onde vou e quando
Responderei: apenas navegando, apenas navegando...

Embarcarei comigo o feminino encanto
Pra que não falte à vida quando for preciso
Uma razão mais forte que o espanto

Semearei meu sangue, meu amor, meu rosto
Pra que depois de mim possa estar presente
Entre as canções que eu não houver composto

Naufragarei um dia em pleno mar sem dono
E submerso em lendas como um visitante
Entre os recifes dormirei meu sono".

(Mestre dos mestres Sidney Miller [1945-1980], falecido precocemente)

3 comentários:

  1. Muito bonito esse poema...
    "Só a poesia possui as coisas vivas..." (Mario Quintana)
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Ó, vou comentar pela primeira vez...
    Jah estou quase decorando esse poema... hehehe Mas eh mt lindo!!
    Vc estah me devendo o outro...
    Bjão!!

    ResponderExcluir
  3. gostei do post..... eh um blog poeticow! =) grnade leal. to com o cd do tavinho aki! da uma olhada nas minhas merdas depois ... =)

    ResponderExcluir